A psicose é um transtorno mental considerado grave, em que a pessoa em surto psicótico perde completamente a noção do que é realidade e do que é imaginário, mesmo estando consciente.
A pessoa não tem sentimento de que está doente e não acha que precisa de ajuda ou tratamento.

Pessoas com problemas de psicose, chamadas de psicóticas, possuem delírios e alucinações durante o surto. Esses são chamados de sintomas positivos. Além desses, existem também os sintomas negativos que são a perda de motivação e isolamento social.

Em alguns casos, durante um surto psicótico, o indivíduo pode deixar de reconhecer as pessoas e até a si mesma. Além disso, é frequente que durante os surtos as pessoas sentem-se perseguidas ou ameaçadas. Esses sentimentos são tão reais que podem ocasionar atitudes agressivas com pessoas ao seu redor.

A duração de um surto psicótico pode variar de acordo com suas causas, e o tempo de tratamento pode também variar de acompanhamento médico além da necessidade do uso de medicamentos, sem o que não se reverte um surto psicótico.
Em minha opinião, a problemática é a fragmentação do Ego, formação esta de 0 a 15 anos de idade. Portanto a biografia da pessoa ao viver a primeira e segunda infância introjetou situações complexas onde são vários os fatores que interagem na formação da personalidade.

Reconhecendo os sinais de psicose

No início do transtorno

  • Dificuldade de concentração;
  • Humor deprimido;
  • Alterações de sono: dormir demais ou não o suficiente;
  • Ansiedade;
  • Desconfianças;
  • Isolamento da família e amigos;
  • Pensamentos incomuns para aquela pessoa.

Psicose em fase mais avançada:

  • Delírios;
  • Alucinações;
  • Ideias desorganizadas;
  • Depressão;
  • Ansiedade;
  • Pensamentos ou ações suicidas.

O que são delírios e alucinações?

Delírios

Delírios são falsas crenças ou a impressão de que algo está realmente acontecendo mesmo que esteja em contradição com a realidade, mas mesmo assim são tidas como verdadeiras.
Chamamos isto, em psiquiatria, de alteração do conteúdo do pensamento. O delírio não pode ser modificado com uma argumentação lógica e dentro de um contexto de realidade.
Se for modificado, não é delírio.

Há delírios de paranoia, delírios de grandeza e delírios somáticos.

Pessoas que sofrem de delírios de paranoia acreditam que estão sendo perseguidas mesmo quando não estão, ou que mensagens secretas estão sendo enviadas somente a elas através de meios de comunicação.

Alguém que possui delírio grandioso possui um senso exagerado de sua importância.

Já as pessoas que possuem delírios somáticos acreditam que possuem doenças terminais quando na realidade estão completamente saudáveis.

Alucinações

Alucinação é uma percepção sensorial na ausência do estímulo externo. Isso significa ver, ouvir, sentir ou cheirar coisas que não estão presentes. Uma pessoa com alucinações vê coisas que não existem ou ouve pessoas falando mesmo quando está sozinha.
É uma alteração dos órgãos do sentir e perceber, sem a presença de um objeto que justifique a alteração do que em psiquiatria chamamos de senso-percepção.

Delírios e alucinações tornam certas coisas reais na visão de quem está em surto.

Causas da psicose

Cada caso de psicose é diferente e suas causas nem sempre são inteiramente claras. Existem, no entanto, algumas doenças que podem levar ao surto psicótico:

  • Doenças cerebrais, tais como a doença de Parkinson e doença de Huntington;
  • Tumores cerebrais ou cistos;
  • Demência (incluindo a doença de Alzheimer);
  • HIV, sífilis e outras infecções que atacam o cérebro;
  • Alguns tipos de epilepsia;
  • Acidente vascular cerebral (AVC).

O uso de drogas, falta de sono e outros fatores ambientais também podem ocasionar a psicose

A psicose pode ser desencadeada pelo abuso de álcool e drogas ilegais, incluindo estimulantes como a metanfetamina, cocaína e crack. Drogas alucinógenas, como o LSD (ácido), maconha, maconha, psilocibina – ou cogumelo vulgarmente chamado –, substâncias alucinógenas, muitas vezes causam aos usuários alucinações mas esse efeito é temporário.

Isso não significa que todas as pessoas que fizerem uso de maconha, psilocibina ou LSD terão surto psicótico ocasionado por substâncias alucinógenas, e também não significa que qualquer pessoa que usar metanfetamina, cocaína ou crack terá surto psicótico.

Depende de diversos fatores: quantidade de droga ingerida; via de uso, isto é, inalável, aspirado, injetável – nos músculos ou nas veias, além da propensão de cada indivíduo.

Como atendo mais emergência em hospitalização, são geralmente casos graves, não muito comuns de serem verificados nos atendimentos de consultório.Exemplo: em todos os anos desde a fundação da Maxwell em Dezembro de 1978 até hoje, apesar de ter atendido milhares de casos com dependência à maconha, apenas três pacientes tiveram surto psicótico com exame qualitativo, demonstrando níveis gravíssimos para maconha.

As pessoas que não dormem o suficiente durante longos períodos correm o risco de sentir alguns sintomas de psicose.

Alguns medicamentos como esteroides e estimulantes podem, também, causar sintomas de psicose.

Todavia, a formação da personalidade é a maior causa da psicose.

A minha experiência mostra que fatores genéticos, isto é, que nascem com a pessoa, o que chamamos de congênito, tem menor nível de participação nas psicoses, e acho que apenas a inteligência é inteiramente genética.

Transtornos psicóticos

Os seguintes tipos de psicoses são chamados de distúrbios psicóticos, que podem ser desencadeados por estresse, uso de drogas ou álcool, lesão ou doença ou até mesmo podem surgir por conta própria.

  • Transtorno de bipolaridade

Pessoas com transtorno bipolar sofrem de grandes alterações de humor.
Quando o humor da pessoa está alto, ou positivo, ela pode sofrer com sintomas de psicose. Esta pessoa pode sentir-se extremamente bem e acreditar que possui poderes especiais.
Já quando está com o humor deprimido, ela pode ter sintomas psicóticos que a faz sentir-se irritada, triste ou assustada. Esses sintomas incluem pensamentos de que alguém está tentando prejudicá-la.

  • Transtorno delirante

Pessoas com transtorno delirante acredita fortemente que as coisas não são reais.
Porém é possível modificar o pensamento com a argumentação lógica e dentro de um contexto de realidade.

  • Esquizofrenia

A esquizofrenia é um tipo de psicose que ocorre ao longo da vida, na maioria das vezes começando na adolescência – entre 16 a 18 anos – ou mesmo de 18 a 22 anos de idade.
Outros tipos de esquizofrenia podem ocorrer em idade mais avançada, aos 30 ou aos 40 anos de idade, de maneira espontânea ou mesmo sem uso de drogas.

  • Depressão Psicótica

Esta é a depressão maior com sintomas de psicose.

Como é diagnosticada a psicose?

A psicose é diagnosticada através de uma avaliação psiquiátrica. Isto é, um médico irá observar o comportamento do paciente e lhe fazer algumas perguntas sobre coisas que tem passado, e verificar as informações junto aos familiares do transcorrer da infância – de 0 aos 15 anos de idade.
Alguns exames podem ser solicitados para determinar se há alguma doença subjacente causando esses sintomas.

Se existe alguma preocupação ou suspeita de psicose é importante que se procure um médico o quanto antes para que seja feita uma correta avaliação.

Tratamento da Psicose

O tratamento da psicose é feito através, principalmente, de medicamentos e a maioria das pessoas conseguem ter expressiva melhora com o tratamento.
Não falamos na palavra “cura”. Tratar é amadurecer, evoluir, educar, fortalecer e melhor instrumentalizar os mecanismos de defesa da personalidade que foi muito fragmentada e fragilizada.

Tranquilização rápida

Às vezes pessoas que sofrem de psicose podem tornar-se mais agitadas.
Nesses casos, pode ser necessário acalmá-lo rapidamente sem lhe causar danos. Este é o método chamado tranquilização rápida em que o médico ou enfermeiro qualificado administra uma dose de medicamento líquido que causará o relaxamento imediato do paciente.

Medicamentos

Os sintomas de psicose podem ser controlados com medicamentos, chamados antipsicóticos. Esses medicamentos irão reduzir os sintomas de alucinações e delírios, além de ajudar o paciente a pensar mais claramente.
O medicamento que será prescrito dependerá dos sintomas que o paciente está enfrentando. Em muitos casos os pacientes só precisam tomar antipsicóticos por um curto espaço de tempo, apenas para manter seus sintomas sob controle. Já no caso de esquizofrenia, o paciente poderá depender de medicamento por toda sua vida.

Mas, seja qual for o caso, é muito importante não ignorar o problema. Mesmo que seja apenas uma desconfiança é viável ir em busca de um psiquiatra, especialista que é em saúde mental.